Casa BT en el sur de Brasil

Vivienda contemporánea al Sur de Brasil que conjuga elementos modernos y tradicionales en un diseño sencillo y espectacular. La Casa BT, del estudio de arquitectos de Guilherme Torres, es progresiva en la forma y presenta dos rectángulos independientes, uno de ellos volando suavemente sobre el otro. Mientras que la silueta es atrevida y moderna, los materiales en comparación, son clásicos: una base de ladrillo soporta un segundo nivel de hormigón, con fachadas a base de celosías de madera tradicionales, una solución arquitectónica que proporciona privacidad, corrientes de aire y protección del fuerte sol brasileño.

BT-House-by-Studio-GT-4 BT-House-by-Studio-GT-24 BT-House-by-Studio-GT-tiraFuente http://www.despiertaymira.com/index.php/2013/06/bt-hous/

Anuncios

Lámparas ecológicas | Luminárias ecológicas

Lámpara hecha con cajas de leche larga vida | Luminaria feita com caixa de leite longa vida.

Designer Edward-chew

Edward Chew

Lámparaa hecha con potes | Luminaria feita com potes

potes

Lámpara hecha con botella de vidrio| Luminaria feita com garrafas de vidro

313259_164722093663821_1126467096_n

Lámpara hecha con coladores de fideo| Luminaria feita com escorredores de macarrão

391416_170673096402054_132200222_n

Lámpara hecha con canastos de plástico| Luminaria feita com caixotes de plástico

425548_213914872077876_1420913975_n

Lámpara hecha con potes de yogurt| Luminaria feita com potes de iogurte.

Designer Carolyn Lau

Carolyn Joan Lau

Un cartel convierte la humedad en agua potable en Lima

e5d754a8-5fb6-418d-b8cc-8d688ed665b6-444x333
agua1-300x168
Un grupo de investigadores de la Universidad de Ingeniería y Tecnología y la agencia de publicidad Mayo Perú DraftFCB ha puesto en marcha un gran panel de publicidad que transforma la humedad del aire en agua potable.El panel está situado estratégicamente en el pueblo de Bujama, una zona desértica del sur de Lima, donde algunas personas no tienen ningún acceso para limpiar el agua. A pesar de la poca lluvia, la humedad de aire alcanza el 98 %, lo que hace este lugar idóneo para ubicar este tipo de tecnologías.

El sistema consiste en cinco dispositivos que extraen el vapor de agua del aire mediante un condensador. El agua es almacenada en tanques en lo alto de la estructura y una vez filtrada, fluye por un tubo unido a una llave de paso, según informa la BBC.

Los vecinos están encantados con el gran cartel y se ha convertido en una atracción local.”Nosotros no habíamos comprendido como de grande sería el impacto” dijo Jessica Ruas, un portavoz de la universidad.

El cartel produce 96 litros de agua por día.

 

fuente: antena3.com

Cidades de São Paulo decidem queimar lixo domiciliar

Sem espaço para aterrar o lixo que produzem, Barueri e Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, decidiram queimar o lixo coletado nas ruas e deixaram em alerta especialistas ambientais.

As duas cidades serão as primeiras do país a adotar a medida, que é polêmica.

Estudos internacionais apontam relação entre usinas de queima de lixo e casos de câncer detectados em moradores de suas imediações.

As prefeituras alegam que seus projetos estão sendo feitos de forma a evitar problemas ao ambiente e à saúde.

O plano mais adiantado e que deve ser concluído em três anos é o de Barueri.

A cidade montou uma parceria com uma empresa que vai importar uma tecnologia francesa. O grupo que venceu a licitação será responsável pela usina por 30 anos.

 

Marcelo Justo/Folhapress
Operação de descarte de lixo no aterro sanitario de Barueri (na Grande São Paulo) já opera com capacidade no limite
Operação de descarte de lixo no aterro sanitario de Barueri (na Grande São Paulo) já opera com capacidade no limite

A construção da planta de incineração deve custar por volta de R$ 160 milhões –e mais R$ 44,6 milhões por ano para a usina funcionar.

“É a melhor solução possível. Não existe mais espaço para aterros. Hoje, gastamos muito com transporte de lixo. Os caminhões percorrem 30 quilômetros até o destino”, diz Francisco Pugliesi, diretor de limpeza urbana da Prefeitura de Barueri.

Estimativa da prefeitura aponta para a redução de 90% do volume de lixo que vai para o aterro.

O projeto da usina, que vai queimar o lixo a 800º C, ganhou o primeiro aval da Cetesb, a agência ambiental paulista, no fim de 2012.

Segundo Pugliesi, a usina é fechada e os gases da incineração do lixo estão dentro dos padrões considerados seguros pelos órgãos ambientais.

A energia gerada com a queima do lixo deve produzir também parte da eletricidade consumida em Barueri.

PARCERIA

Também na Grande São Paulo, Mogi das Cruzes e mais cinco municípios (Salesópolis, Biritiba-Mirim, Guararema, Arujá e Suzano) montaram um projeto conjunto com características gerais semelhantes ao de Barueri.

“Nós temos um acordo inicial com a Sabesp. Ela está interessada em fazer uma usina de pirólise [tratamento de lixo com fogo] na região”, afirma Marco Bertaiolli (PSD), prefeito de Mogi das Cruzes.

Para ele, o consórcio entre os seis municípios é a única saída para viabilizar o destino final de pelo menos 500 toneladas de lixo por dia.
“Mesmo que a Sabesp saia do acordo, o consórcio de municípios vai tocar a construção da usina”, diz.

Bertaiolli afirma que não há mais lugar para a construção de aterros na região.

fonte folha de sao paulo